sábado, 30 de abril de 2011

Educação de qualidade: Cadê?



Um país que menospreza e marginaliza seus professores com salários e condições miseráveis, está condenado seriamente à desordem e ao regresso. Está fadado ao fundo do poço, e isso, infelizmente, aqui no Brasil, é só mais uma etapa.

Cristovam Buarque dizia e diz desesperadamente que o que este país precisa para crescer é de educação de qualidade. E todos nós sabemos que este país precisa de professor qualificado, de escolas bem aparelhadas.

Os professores precisam é de um salário que possa dignificá-lo, pois o trabalho engrandece o homem, mas se este recebe um salário digno ele se engrandecerá ainda mais. Afinal, dedicação e vontade de trabalhar os professores têm. Eles querem trabalhar, pois têm ciência da importância do trabalho e da importância que eles têm para o país.

O problema é que os governantes parecem não ter ciência de tudo isso, aliás, eles sabem, mas não investem, é uma forma proposital de não educar o povo. É uma forma de tornar o povo cada vez mais ignorante.

Enquanto não se investe em educação, somos obrigados a ver os jovens jogados à própria sorte. Lançados à marginalidade.

Vejam a situação do nosso país. Vejam a barbaridade que os ‘comandantes’ loucos deste país fazem, pois em vez de investirem numa educação básica de qualidade, simplesmente criam o sistema de cotas para que os negros e estudantes de escola pública tenham vagas nas Universidades.

Não sou radicalmente contra este sistema de cotas. Aqueles que as acham boas que façam uso, mas creiam-me, não são cotas que irão solucionar questões centenárias e os problemas da falta de investimento em educação. Não se pode prejudicar um cara que tirou dez na prova, pra dar lugar para um negro ou estudante de escola pública que tirou cinco.

A verdade é que se não investir na educação, o Brasil será sempre este país de semi-analfabetos, um país de ‘povo gado’ um país eternamente inaugural. O Brasil do futuro que nunca chegou e não chegará.

E não são ministros, presidente, governadores e secretários que governam de costas para o país que vão levar este país ao desenvolvimento. Não há desenvolvimento em país onde não há educação de qualidade. Não há petróleo ou bolsa família que desenvolva um país que não tem como base a EDUCAÇÃO.

“A gente não quer só comida, a gente quer bebida, diversão e arte...” A gente quer cultura, a gente precisa de livros. Ah! Mas “a gente não ‘sabemos’ escolher presidente, a gente não ‘sabemos’ nem escovar os dentes [...] a gente ‘somos’ inútil...”

Muitos brasileiros não têm hábito de ler. Aí o homem da lei decreta que os professores devem influenciar os seus alunos a lerem. Os professores, dentro de suas condições, tentam e alguns conseguem, mas o homem da lei esquece que não existe um aparelhamento de qualidade nas escolas. Eles esquecem que não há bibliotecas e que às vezes não tem nem livros.

“Um país se faz com homens e livros”, disse Monteiro Lobato. A educação de qualidade é a arma essencial para lutarmos contra a desordem e o regresso, que surgem devido ao pouquíssimo investimento em educação. E é esse investimento deficiente que dá origem à violência, à corrupção, policiais incompetentes e políticos que institucionalizam o roubo.

PS: A gente há de ser um país de verdade. A gente ainda há de ser respeitado pelo nosso potencial em educação de qualidade.

Nenhum comentário: