segunda-feira, 13 de junho de 2011

Quase uma "Canção da despedida"

"E hoje estou de volta à vida, aos amigos, aos sorrisos..." (Leoni)


Quer saber? Desisto. Nada de esperar ela voltar ou a banda passar. Não tem mais sonho. Vou sair do tapete atrás da porta e correr pra sala de estar. Nem açúcar, nem afeto.


Pensei. Esperei. Quis de todas as maneiras, no entanto, não quero mais. Não vou esperar ela voltar. Nada de esperar a banda passar. Nada de completar os mil perdões. Agora vou em frente e que meu coração enfrente o que vier pela frente.

Já passou a lua cheia. Basta um dia e ela vai me seguir. Levarei nos pensamentos sua formosura. Terei noites felizes nas minhas festas juninas e no Natal. Farei o meu ano novo. E irei de encontro ao meu carnaval. Até pensei em levar o retrato preto e branco, mas outra vez começou uma canção desnaturada e é melhor seguir à toa. Sem nada nas mãos, como dizia Pessoa.

Farei um soneto sob medida. Farei um dueto. Farei uma viagem, mas antes, mulher, eu vou dizer o quanto te amo. Essa valsa brasileira tá ruim. Eu quero um samba. Quero um chorinho. Quero você. Mas não vou esperar. Nem esperar a banda passar.

Vou eternizar para todos que ainda te amo. Vou eternizar para todos que não te espero mais. Agora começou uma canção inédita e ainda sinto teus seios em minhas mãos.

Farei um soneto sob medida. Farei um dueto. Farei uma viagem, mas antes, mulher, eu vou dizer o quanto te amo. Vou dizer o quanto disse palavras como se fosse a primeira vez.

Vou jogar fora as cartas. No retrato preto e branco estamos felizes, sabia? A banda vai passar e não saí daqui. E se ela voltar. Digo o quê? Faço o quê? Fujo pelas tabelas, pois se ficarmos mano a mano ela me perdoa e completa os mil perdões. E de nada valerão tantas palavras.

P.s: E como bem canta Leoni “[...] Nessa viagem, quase cego, eu te seguia e fazia quase tudo pra agradar. Eu tentava acreditar que isso é que era amor, eu estive tão doente, agora, já passou. E hoje estou de volta à vida, aos amigos, aos sorrisos, sob o sol. Pra você, essa é a canção da despedida [...]”

4 comentários:

Cynthia Osório disse...

sempre muito entregue, até pra despedir!

Gildean Tiago disse...

Problema é que ainda "não aprendi dizer adeus, mas sei que vou me acostumar..." (Ó o nível!) hehe. Até lá eu ainda terei alguns textos de desamor, amor, saudades, esquecimentos, despedidas e coisas parecidas.

Abraço grande!

Arielly. disse...

Não tem nem rumo de ser só para dizer. =)

Gostei muito do texto.

Filha do Sol do Equador. disse...

... E eu tentava acreditar que isso é que era amor...
Todos nós seremos enterrados com todos nossos erros e apegos e nada que se passar por aqui servirá de epitáfio. E já que algumas despedidas são necessárias... É Tchau! E correr atrás de um "novo-velho-final-feliz!"

Adorei o texto.

Abraço!