sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Eu não entendo




Ela lembrava-se de quando o ‘enfim sós’ virou ‘enfim só’. Foi ele quem disse isso depois de terminar. "Enfim só! Vou aproveitar minha vida!". E ela também ficou só! Somente só, mas pra ela isso não foi motivo pra festejar. Aliás, "aproveitou" o momento pra sofrer.

Muitas vezes sozinha em casa tentava dormir, mas não conseguia. Os velhos fantasmas voltavam a incomodar. A saudade, os lamentos, a pena que sentia de si.

Nunca entendi bem dessas coisas de amor, confesso. Acho, por exemplo, o amor um pouco clichê, mas há quem insista comigo que não há nada previsível no amor. Ora! O amor é carinho, carícia, cumplicidade, amizade e mais uma porrada de coisas. Isso é tão previsível. Clichê!

Enfim, como disse, nunca entendi bem dessas coisas de amor. E ainda tem essa coisa de esperar, sofrer. Por que isso?

Às vezes, cogitava-se a idéia de que ela já estivesse cansada disso. De sofrer, esperar, apostar no que não vai dar certo, saca?

Nunca entendi bem dessas coisas de amor, principalmente, quando se cria uma espécie de submissão e dependência da pessoa amada. Pior de tudo é quando a pessoa amada nem ama. Não corresponde.

No entanto, ela parece gostar de sofrer. É linda, tem sorriso de porta bandeira, cabelos negros como noite sem luar, alegrias e um aparente sofrer. Vive uma espera sem futuro. Parece gostar de sofrer.

Certo, não é fácil e possível fechar o que se chama de biblioteca da memória, mas porque não fazer um esforço pra pelo menos parar de lamentar? Absurdo ter amor por quem não nos ama. Erasmo de Rotterdam explica isso. Dá uma explicação bem convincente, mas isso é coisa pra depois. Essas coisas de amar e desamar eu nunca entendi bem.

Ela queria amor, mas ele virou só saudade. Uma saudade quase tormento. Dessas bem chatas e que causam uma espécie de dependência. Ela se entregou como se fosse a mulher da vida dele, ele não se entregou e tratou como um passatempo.

Apegou-se à saudade, ao sofrimento, à espera de quem não volta. E as possibilidades de um novo amor vão passando sem que ela perceba. E quando percebe, faz questão de escorraçar.

O certo é que esse amor dedicado à outra pessoa fez esquecer o amor que deveria sentir por ela mesma. Falta amor próprio. Falta acordar pra vida! Por que sofrer por quem não merece? Por que esperar por quem não volta? Por quê?

PS: “[...] Pra que ficar assim desesperada se ele falou que não lhe quer? [...] Por que você não quer ficar tranqüila um pouco? Seu rosto é mais bonito rindo! [...]” (Otto)

Nenhum comentário: