segunda-feira, 5 de março de 2012

Tanto amar


Imagem: Mari Ribeiro em Marilustra



Livra-se de tristezas abissais quando conversam, quando contam suas histórias, seus receios, suas alegrias, quando compartilham sorrisos e algumas provocações. Diz isso a todos – e a todo instante. Sente saudades grandes e fica ridiculamente abalado quando ela diz não acreditar. Ou finge não acreditar.

Uma das melhores coisas que lhe aconteceu nesses últimos meses foi conhecê-la. Diz isso a todos – e a todo instante. É um querer bem que ele não consegue explicar, de um tamanho que não consegue descrever.

Costuma dizer a todos – e a todo instante – que seu coração parece tiete. Segundo ele, seu coração se diverte sempre que ele a vê ou quando ouve sua voz. Diz isso inspirado no poeta Ramsés Ramos.

Insiste em dizer a todos – e a todo instante – que na primeira troca de olhares, na primeira conversa, nos primeiros sorrisos e nas primeiras piadas, se desenhou – pra ele – um grande amor. Naqueles instantes é que seu coração deixou que ela surgisse. Seu coração se deixou invadir por sua ternura e pelos olhares de rabo de olho feito artista. Artista de capa de revista, diga-se. Ali, naquele instante, se desenhou um grande amor.

Amor tão grande que ele diz a todos – e a todo instante – que é um amor a perder de vista. Impossível precisar o tamanho desse amor. Acredita-se que deixou de ser um romântico teórico e passou a ser um prático. As flores, que eram de poesias e contos, viraram realidade e foram enviadas. Pensou entrega-las pessoalmente, mas atrapalhado, deixou que a floricultura tomasse conta.

Nem cogitava pensar, há algum tempo, que poderia se sentir assim. Sentir algo assim. Diz a todos – e a todo instante – que antes dela aparecer, vivia com a sensação de que o amor era uma dessas coisas que já não existia mais em seu estoque de sentimentos. Hoje, julga-se capaz de sentir um desses amores pra vida toda.

Acredita e diz a todos – e a todo instante – que ela gosta dele, embora ele seja meio Mané e um tanto acanhado e atrapalhado. Ela também parece meio acanhada. Sua vida parece, segundo ele, uma ambientação de ‘Forever’, do Kiss. E ele acredita que pode ser mais feliz que todas as crianças ricas do planeta. E que pode sair por aí rindo à toa feito vocalista do Falamansa ou bobo alegre ou feito rico.

p.s.: Ao som de "Something", The Beatles.

Um comentário:

Luiza Fernandes disse...

Seu blog é lindo, as postagens em tão? São demais.
Parabéns!
Ótimo fim de semana