terça-feira, 11 de setembro de 2012

Saudosismo



Acordei com caetano veloso na cabeça. Sim, voltei a ouvir o 'prenda minha', melhor álbum do caetano e tenho ouvido muito 'saudosismo' e é impressionante como essa música lembra você. Às vezes penso que ouço saudosismo à exaustão como se precisasse de um aviso repetitivo me dizendo “chega de saudade! Chega de saudade! Chega de saudade!”, talvez um jeito pra eu lembrar de te esquecer
Mas como esquecer se temos um passado tão bom? Não sei explicar bem o que acontece. Quando eu disse que ia deixar de amar, eu realmente me esforcei pra isso e consegui. A saudade que sinto não é daquelas saudades de quem quer o tempo de volta, é que ultimamente tenho andado com a cabeça pelas tabelas, um tanto aflito e vivi bons dias contigo, então lembro e lembro, isso me deixa melhor.
Ainda sobre 'prenda minha', dá uma aflição ouvir 'drão'. Lembro de mim dizendo, implorando, sei lá, pra você pensar melhor, “não despedace um coração”. E, eu cheio dos pecados e chegadas fora de hora, não merecia, mesmo, uma segunda chance pela milésima vez. E eu, cheio dos pecados e das culpas, fui praticando auto-sabotagem até fazer nosso amor começar a morrer.
Sem correr, bem devagar, saí da tua casa jurando pra mim mesmo que iria te esquecer e que um dia deixaria de te amar. Seria dura e escura a caminhada rumo aos novos mundos pra onde levaria minha vida e eu morria de medo de tudo. Sabe, deixar de amar, por incrível que pareça – e você vai me perdoar – foi até fácil, esquecer não. Esquecer é difícil, porque nós construímos uma amizade e quando acaba o amor de namoro, resta o de amizade. Por que por mais que fosse cheio de pecados e fugas, você sempre estava apta a mostar um caminho bom e ameno pra mim. Às vezes, era como se você fosse o meu próprio caminho.
E isso de você parecer ser o meu caminho é que o me faz escrever mais uma vez pra você e talvez nem mande isso assim como todas as cartas que escrevi e não mandei. Você me ensinou a mania de escrever cartas, mas devia ter ensinado a mania de enviar também.
Ah! Você ainda faz coisas estúpidas como dizer pra todos que meu apelido é 'marley e eu' porque eu fazia as crianças da sua casa chorarem? Eu era mais estúpido ainda imitando vampiros e zumbis.
Enfim, é isso. Ou mais do que isso, seja lá o que isso for. Saudade, um querer bem. Talvez precisássemos nos ver mais, antes que as novidades fiquem velhas. Comprei o álbum 'circuladô', do Caetano Veloso, posso emprestar. E sobre aquela coisa de amor de amizade, preciso de umas broncas também. Um caminho novo pra sair dessa estrada, onde ando solitário e frio.
Sabe, por mais que o Caetano insista nessa coisa de 'chega de saudade!', não dá pra não sentir saudades de você.
Leia ao som de 'saudosismo' e bebendo um bom vinho. Ou um vinho barato, desde que seja em uma das taças de cristais que a tua vó te deu.


Nenhum comentário: