sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Sobre livros e influências...



Tem umas coisas que a gente ler e que acabam por tomar conta da gente. Deixam-nos quase paralisados, a pensar, sem ação. Uns textos que nos fazem refletir. (nos levam a fazer comparações com o que vivemos diariamente). Isso sempre acontece comigo. Às vezes (muita vezes) passo cerca dez minutos a pensar sobre uma frase que eu leio em algum livro. (paro de ler e fico ‘olhando sem olhar’ dominado pelo que fora lido).

Há alguns meses, o amigo José Mendes [@zazasampaio] indicou-me a leitura de ‘Recordações do escrivão Isaías Caminha. Que livro! Coisa linda de Deus sabe?! Um livro realista que retrata a imprensa do início do século 20. Um livro que fala do preconceito de classe e de cor.

‘Recordações do escrivão Isaías Caminha’ é um livro que fala sobre a influência (ás vezes 'má influência') da imprensa. Os maus políticos e seus péssimos hábitos. Ao falar sobre a imprensa, o livro vai muito além de simples críticas. O autor narra detalhes sórdidos, sujos. Muitos detalhes mesmo. (tantos detalhes que nem o Roberto Carlos com aquela conversa toda conseguiria descrever.)

E o livro, apesar de escrito no início do século passado, parece que foi escrito semana passada. O modo como a imprensa se rende ao governo (e vice versa), a desorganização no congresso, a crença de que status está além da inteligência. O livro fala, aliás, no péssimo 'emprego' que damos à nossa inteligência. Uma obra prima que deve ser lida com calma. A obra é linda e muitas vezes calma.

Recordações é um desses livros que mexe muito, muito com o senso de percepção do leitor. Você lê 'Recordações' e percebe que Rousseau tem uma certa razão ao dizer que ‘O homem nasce bom e a sociedade o corrompe’. Ou, como diz Mão Santa citando José Ortega Y Gasset 'Homem é o homem e as circunstâncias'.

Leiam ‘Recordações do Escrivão Isaías Caminha’, de Lima Barreto. O livro é impressionante.

Que todos nós tenhamos um bom dia e um próspero fim de semana.

Gildean Tiago.

sábado, 20 de novembro de 2010

Ando tão à flor da pele... (Parte II)




Sabe, às vezes me pergunto se é correto o emprego que tenho dado à minha inteligência. Ponho-me a pensar sobre a fuga ás minhas aspirações infantis, pré-adolescentes, adolescentes.

Tenho bons amigos, bons filmes, boas músicas, um plano de saúde, férias. Tenho festas. Tenho muita coisa. Creio que eu tenho conquistado quase tudo o que eu quero, mas isso não é suficiente. E eu penso muito sobre muitas coisas.

Penso sobre tudo o que fazemos da nossa vida. Quanto fazemos, quanto deixamos de fazer. Por que temos 'medo' nos momentos cruciais? Por que muitas vezes nos acovardamos diante das grandes chances da nossa vida e nos acomodamos com a vida que levamos?

Por que é tão difícil mudar? Uma vez o Victor, um amigo de muito tempo, disse que eu estava fazendo algumas escolhas erradas. Ele citou algumas e perguntou por que não largava mão disso. A resposta foi a mesma para cada escolha possivelmente errada: 'O medo da mudança'.

A gente quase sempre tem medo da mudança. A gente quase sempre acha que é tarde. Ou às vezes a gente acha que ainda é cedo. E pensar que ainda é cedo é uma das coisas que fazem com que nos acovardemos. 'Ó, 21 anos é pouca idade pra eu decidir a respeito de algo que vai mudar toda a minha vida. Vou esperar mais um pouco'.

E assim seguimos deixando pra depois e depois. Até que um dia fica tarde pra mudar. Até que um dia já não temos mais tempo para nada. A gente vai negando novas oportunidades, escorraçando mudanças e de repente começa a ficar melancólico, à flor da pele feito um Zeca Baleiro vendo beijo de novela. Quase um Brás Cubas, o personagem de Machado de Assis. E se não tomarmos cuidado, ficamos chatos, chatos feito o personagem da música 'Lígia', do Tom Jobim.

Nesses últimos dias tenho pensado muito sobre isso. Tenho analisado bem as grandes oportunidades que joguei fora e tenho percebido que algumas estão voltando e que eu preciso apenas ter sabedoria pra não desperdiçá-las outra vez. Sabedoria pra não pensar que ainda é cedo. Sabedoria pra perceber o quanto tudo é importante e, acima de tudo, sabedoria pra fortalecer minha coragem que é pra não ter medo de mudança.

(O texto está um pouco (ou um muito) confuso. Queriam o quê? Eu tenho andado confuso, ora! O texto tem que estar parecido com o dono.)

Gildean Tiago.

domingo, 14 de novembro de 2010

Mulher de vestido é um charme...

(Marit Larsen!)

Toda mulher deveria usar vestido 'florado' no primeiro encontro. E no segundo. E no terceiro. E em quase todos os outros. Mulher de vestido é um charme.

domingo, 31 de outubro de 2010

VALEU, SÍLVIO!



Teresina, 31 de Outubro de 2010, às 19h37min e Wilson Nunes Martins já era indiscutivelmente o novo Governador do Piauí.

Dr. Wilson teve como opositor no segundo turno o médico Sílvio Mendes. Sílvio Mendes lutou contra a ‘máquina’ do Estado a favor do atual Governador. Sílvio Mendes lutou contra o poderio econômico de João Vicente Claudino, o filho do maior empresário do Piauí, João Claudino Fernandes.

Durante toda a campanha Sílvio Mendes teve coragem de denunciar os vários problemas do Piauí, a péssima situação da saúde no interior. A triste situação do ensino superior na UESPI. Sílvio Mendes foi indiscutivelmente o melhor candidato ao Governo do Piauí, o mais compromissado, o mais seguro e o mais digno.

Mas Sílvio perdeu a eleição. Ganhou admiradores, eleitores e conquistou muitos amigos, mas eleição ficou com Wilson Martins.

Sílvio foi firme, forte, mas perdeu. Mas está tudo bem, está tudo certinho e quem está errado sou eu e os mais de 600 mil eleitores que queriam uma mudança de verdade. Os eleitores esperançosos de um Piauí melhor. Nós que votamos conscientes dos problemas do Piauí é que estamos errados.

Venceu o atual governador Dr. Wilson Martins (PSB). Venceu o governo dos 2% de obras concluídas com o apoio do PAC. Ganhou o governo da Pior educação do País. Ganhou o governo que tem um ensino superior defasado, sem estrutura. Ganhou o governo que não paga os fornecedores em dia. Ganhou o governo das obras paralisadas. Ganhou o governo da saúde cada vez mais doente.

O Piauí perdeu a grande oportunidade de mudar de verdade, de crescer, de ter um governador que poderia mudar a nossa história. O Piauí perdeu feio. Demos vexame.

Torçamos para que o Dr. Wilson faça um bom governo, tenha competência e possa livrar o Piauí dos ‘malfeitores’ que só pensam em ganhar a grana do nosso Estado. Parabéns ao Dr. Wilson pela vitória.

Mais parabéns ainda ao ex prefeito Sílvio Mendes. Parabéns pela garra, pela coragem, determinação. Parabéns por uma campanha em favor do Piauí. Diante de tantos malfeitores, picaretas, bajuladores e incompetentes, é sempre bom saber que ainda temos gente de bem na Política, gente que se dispõe a lutar pelo seu povo e não tem medo de derrotas.

Sílvio Mendes é um desses homens que me faz citar Lima Barreto:

“Desinteressado de dinheiro, de glória e posição. Vivendo numa reserva de sonho, adquirira a candura e a pureza d’alma que vão habitar esses homens [...] É raro encontrar homens assim, mas os há e quando se os encontram mesmo tocado de um grão de loucura, a gente sente mais simpatia pela nossa espécie, mais orgulho de ser homem e mais esperança na felicidade da raça...”

P.S: Sílvio Mendes me faz acreditar que nem tudo está perdido, me faz acreditar que ainda podemos ter esperança e que devemos acreditar num futuro melhor.

P.S:² Que o governador Wilson Martins seja íntegro e competente. Que a sua competência como médico seja utilizada na política e que ele seja um ótimo governador. Pelo bem do Piauí e do nosso povo é que não podemos torcer contra o Governo. Que estejamos vigilantes...

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

É Feliz quem vive aqui?

(Parque Potycabana. Foto retirada do Portal http://180graus.com)


Devo dizer que é cheio de constrangimento que acompanho o atual momento político do Piauí e carregado de indignação com o descaso do Governo do Estado em relação ao Piauí.

As propostas apresentadas nessas eleições não parecem muito claras. Algumas do atual governador, por exemplo, são repetidas. Foram prometidas em 2002 e voltaram á tona em 2006 e agora em 2010. E em 2010, pra se manter no governo, o mesmo grupo de 2002, 2006 repete as promessas de outrora. Por que voltaram à tona? Simples: Porque essas promessas não foram cumpridas e algumas nem foram postas em prática.

Os investimentos feitos nas obras da Potycabana e centro de Convenções, por exemplo, não têm surtido efeito. As obras seguem lentas, às vezes são paralisadas, e depois de vários meses as obras não foram concluídas. O Centro de Convenções deveria ser entregue em dezembro de 2009. As obras atrasaram e o centro será entregue em 2011. Apenas em 2011.

Diversas vezes o Deputado Tererê (PSDB-PI) alertou que o Estado poderia quebrar e as finanças não suportariam e que os empréstimos contraídos pelo então Governador Wellington Dias (PT-PI) eram mal explicados e feitos sem análise necessária, mas não lhe deram ouvidos. Teve um jornalista que o chamou de palhaço.

Mas o tempo foi passando, os fatos foram se confirmando e hoje vivemos num Estado que paga os servidores em dia, mas não os compromissos assumidos com as empresas que prestam serviço ao Estado.

Os fatos foram se confirmando, veio o desperdício de dinheiro em aluguéis carros de luxo através de algumas secretarias de Governo. Fala-se ainda que o Governo do Estado enviou recursos para a construção de uma clínica particular na cidade de picos. Pode?

À cada semana um novo escândalo, um empresa cobrando publicamente o governo do Estado que não pagava pelos serviços prestados. Enquanto isso, os Governistas se mantinham cegos ou fingiam não enxergar. Foram coniventes, participaram de toda essa bagunça que vivenciamos no Piauí e ainda fazem forte campanha para a reeleição do atual Governador.

Eu, como filho do Piauí não posso me conformar com toda essa triste situação. O que acontece no Piauí é triste, é grave e pode levar à conseqüências piores do que as loucuras de Alberto Silva em seu segundo governo no final dos anos 80.

Não podemos silenciar, não podemos negar, nas urnas, uma resposta a todo esse descaso do atual governo para com o Piauí. Silenciar e não reagir é ser conivente, cúmplice de todas essas aberrações que acontecem no Piauí.

P.S: Não vou falar do PAC no Piauí porque sua existência no Piauí foi/é a maior mentira já vista (na verdade, é difícil ver algo do PAC) no Piauí.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Ando tão à flor da pele




De repente, não mais que de repente, as ilusões que as pessoas costumam perder na idade madura, eu tenho perdido ainda na minha juventude de 21 anos. A política, a imprensa, a justiça, os meus heróis, os intelectuais e quase todas as coisas que eu admirava foram se apequenando e têm saído da minha ‘lista’ de coisas que merecem a minha simpatia.

Vez ou outra surge uma coisa ou um ato que, como disse Lima Barreto, me faz ‘ter mais simpatia pela nossa espécie, mais orgulho de ser homem’, mas são tão poucos os atos de grandeza que a gente já nem se empolga tanto.

Em tempos de egoísmo e de moralidade baixa, a desconfiança faz-se constante. As dúvidas sobre as intenções de quem faz o bem estão quase sempre presentes. A esperança, coitada, é um sorvete em pleno o sol.

O momento atual, seja na política, na imprensa ou na justiça é de causar constrangimento. Indignação também, mas o constrangimento muitas vezes é ainda maior.

A gente cria fantasias, pensa que pode até ser político que é pra colocar em prática o desejo juvenil de mudar o mundo, mas aí se depara com as coisas ‘pequenas’ desse meio. A política, que pena!, é mais suja e mais feia do que tudo isso que a imprensa noticia.

Ouvi numa novela, um personagem dizer que ‘pra ser político o sujeito tem que ter dinheiro, simpatia e não pode ter escrúpulos’.

Uma vez ouvi o humorista João Cláudio Moreno dizer que ‘o problema não é a política e, sim, a cultura política’, mas eu creio que isso não muda nada. Tá tudo muito sujo. O medo tem vencido as esperanças, tem feito força pra vencer todas as batalhas e a guerra.

Li, hoje à tarde, no livro ‘Filhas do Segundo sexo’, de Paulo Francis, um texto que ele atribui a Tadeuz Borowski e um trecho desse texto diz exatamente isso: “O mundo não é governado pela justiça ou moralidade; O crime não é punido, nem a virtude recompensada. O crime é esquecido tão depressa quanto à virtude. O mundo é governado pelo poder”.

Vai ver é isso mesmo. Que eu não perca os meus ideais e que eu encontre mais atos que me façam ter mais simpatia pela nossa espécie. Que não sejamos engolidos pelo egoísmo e pela ganância. Que não sejamos dominados pela raiva, vingança e que façamos o possível pra humanizar cada vez mais os nossos atos. Que tenhamos consciência dos nossos erros e que possamos corrigi-los.

P.S: Mais á flor da pele que o Zeca Baleiro vendo beijo de novela.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Eu, Pessimista!



Os governistas dividiram os Piauienses em duas ‘classes’: Os Otimistas e os Pessimistas.

Otimistas, segundo alguns de nós sabemos, são os que espalham o pseudo-desenvolvimento do Piauí. São os que acreditam na propaganda oficial e não questionam por falta de informação, vontade e comodismo. Outros não criticam porque tem uma ‘boquinha’ no governo.

Segundo os Governistas, os pessimistas são os que reclamam. Governistas e bajuladores inventam cada coisa.

Para os Governistas, quem vai atrás de informação é pessimista e quem reclama da lentidão das obras também. São pessimistas e mentirosos os que alertam para falta de pagamentos às empresas que prestam serviços para o governo do Estado. São pessimistas os que reclamam da triste e constrangedora situação da UESPI e da falta de qualidade dos hospitais do interior do Piauí.

Se alguém lembra as promessas não cumpridas do atual governo já é logo apontado como pessimista, mentiroso, desesperado e ainda dizem que o sujeito tá é se aproveitando das desgraças alheias. Ora! E desde quando fazer oposição é ‘se aproveitar das desgraças alheias?’ E desde quando falar em obras paralisadas é coisa de gente pessimista? Qual o quê! Os Governistas são muito ingênuos mesmo.

Será mentira o mar de lama? Será mentira o festival de obras inacabadas? Será mentira que o Piauí tem a pior educação pública do Brasil? Será pessimismo falar a verdade sobre a péssima situação da UESPI? Será pessimismo dizer que W. Dias (PT-PI), governador até março de 2010, prometeu que investidores portugueses fariam um hotel de luxo no Piauí com campo de golf e tudo e até agora nada foi feito?

O atual Governo chamava a imprensa e fazia alardes sobre verbas conseguidas em Brasília e com investidores Europeus, mas esse dinheiro está feito a ‘Conceição’ da música de Cauby Peixoto: ‘Ninguém sabe, ninguém viu!’

Será, portanto, mentira o mar de lamas? Será pessimismo fazer alertas sobre esse mar de lamas? O Piauí não precisa de um Governador otimista, precisa é de um governador competente, sério, trabalhador e que honre os compromissos assumidos.

Se questionar, se ficar inconformado e indignar-se são coisas de pessimistas, sou, portanto, um pessimista. Muito pessimista.

O Piauí não precisa de Governador que utiliza partido político e estrutura partidária apenas como um meio de passar para o lado do Governo. O Piauí não precisa de um governador que faz e aceita adesões sem razão, convicção, credibilidade e sem vergonha. O Piauí precisa de um Governador Honrado.

P.S: Temos no dia 31 de outubro de 2010 um gigante que convida a todos para a verdadeira guerra democrática: O Voto! Que tenhamos consciência e votemos no melhor para o Piauí.

Gildean Tiago.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Revolução na Educação: Cadê?




Faz é tempo que procuro o desenvolvimento cantado e propagado pelo Governo do Piauí. Tem dia que é tanto governista falando que o Piauí tá cheio de desenvolvimento que se o cara não se segurar acaba acreditando.

Eu mesmo quando já estou quase desacreditando da existência de todo esse desenvolvimento, aparece um governista pra falar no Aeroporto Internacional de São Raimundo Nonato, que de Internacional só tem mesmo o nome. Depois falam do Porto de Luiz Correia, o outro já fala nas obras feitas na Orla da Praia de Luiz Correia e falam, falam, falam tanto que, de besta, eu falto é acreditar.

Mas sempre tem alguém pra alertar que é tudo propaganda, mentira, trololó, balela, enganação, engodo, conversa fiada, conversa pra boi dormir e eleitor votar. Dizem que é tudo propaganda dos entusiastas do inexistente, puxa sacos e outras coisas parecidas.

O governo também fala numa revolução na educação. Em mais de sete anos de Governo do PT e nesses seis meses de Governo do Dr. Wilson (PSB) eu não vi foi quase nada de revolução.

No ensino superior, por exemplo, eu não encontro revolução. Teve mesmo foi uma 'ré' na Evolução. A Universidade está sucateada, a estrutura física é triste. De ar condicionado queimado à falta de bebedouros. O salário dos professores está defasado, faltam restaurantes universitários, falta livro atualizado, falta biblioteca, até. Ah! E ainda falta autonomia financeira. É que a UESPI não se governa financeiramente.

Eu fico constrangido com a situação da UESPI. Também fico indignado, devidamente PT da vida e humilhado. Pense bem aí numa coisa humilhante.

Pra não parecer implicância, o IDEB, que realiza avaliação do desenvolvimento do desempenho dos estudantes, constatou que o Piauí tem a pior educação do País. Em quase oito anos de Governo do PT, o Piauí fez foi piorar na Educação e olhe que o presidente é um aliado do atual governo, avalie se não fosse.

Só não foi uma vergonha mesmo porque três escolas particulares do Piauí tiveram bom desempenho e a prefeitura da Capital é bastante competente. Tanto que a Educação infantil (1ª à 4ª série) sob a administração da Prefeitura de Teresina é a melhor do Nordeste e está entre as melhores do Brasil.

Apesar dos dados, dos fatos e dos argumentos ainda tem Governista pra dizer que houve grande revolução na Educação do Piauí. Dizem ainda que quem pensa outra coisa é pessimista e contra o Piauí. Que maldade!

Toda essa mentira governista é propagada pelos entusiastas do inexistente.

P.S.: O segundo turno no Piauí será disputado entre o atual governador Wilson Martins (PSB) (da pior educação do Brasil) e o ex Prefeito Sílvio Mendes (Da melhor educação infantil do Nordeste.)

P.S²: Feliz dia dos Professores!

Boa noite!

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Macunaíma: Herói sem caráter.'






Os brasileiros, infelizmente, herdamos uma melancolia característica dos portugueses. Os brasileiros estávamos cansados de picaretas almofadinhas. Collor. Estávamos cansados de ver o FHC vender tudo alegando Liberalismo econômico. Os Brasileiros estávamos desesperados ao ver Brizola denunciar, gritar, esbravejar contra FHC e ninguém fazer nada. Os brasileiros precisávamos de alguém que pudesse fazer diferente. Alguém que se mostrasse diferente e contrário às práticas dos anteriores.

Os brasileiros precisávamos de um herói. Um nacionalista e estadista, como foi Getúlio, porém não poderia ser um ditador. Precisávamos de um cara popular no poder, pra mostrar pra esses sociólogos e almofadinhas que um torneiro mecânico faria diferente.

Os brasileiros sempre precisamos de um herói pra alguma coisa. Assim foi com Pedro I e a independência. Assim foi com Getúlio e o nacionalismo, o petróleo. Até Collor de Melo teve ascensão por causa do nosso medo e da necessidade de um herói. FHC foi o herói que os brasileiros aceitamos. Foi o herói que ajudou a combater a inflação. Mas foi o herói que, desesperada e despreparadamente, vendeu as nossas empresas a preço de banana. Privatizou. Mas FHC preparou a economia, arrumou a cama pro Luís Inácio deitar e rolar.

Mas era um heroísmo insuficiente. Precisávamos de algo melhor. Este algo era Luís Inácio. Até então nunca experimentado no poder presidencial. E o povo heróico elegeu Luís Inácio. Um mar vermelho se espalhou pelo Brasil e ao fim da apuração, a certeza de que finalmente a esperança venceu o medo.

E Luís Inácio era a nossa maior esperança. Em Luís Inácio víamos as realizações que os outros não fizeram por medo. Luís Inácio deu início ao que seria uma revolução social. Ampliou o bolsa escola e implantou o fome zero. E os brasileiros seguiam esperançosos e sem medo.

Finalmente alguém pra investir no social. Entretanto, foi um investimento social sem incentivos. Os brasileiros tinham uma merreca no fim do mês, mas não tinham um emprego. Mas Luís Inácio não desistiu e chamou pro ministério da Educação um outro herói, o cara mais engajado em solucionar os problemas da educação deste país. Luís Inácio pegou pra sí o Senhor Cristóvam Buarque.

Luís Inácio criou quase quarenta ministérios e tivemos a esperança de que quanto mais ministros mais gente pra olhar pelo Brasil. Infelismente não foi isso o que aconteceu. Os ministros foram chamados pra não ficarem ao relento. Pra não ficarem desempregados. Não trabalharam. Não trabalham. Na cultura, uma grande esperança. O herói tropicalista Gilberto Gil. Estávamos bem demais. Na educação tínhamos Cristóvam e na cultura o Gil. Era o sonho de Brizola prestes a se realizar. Teríamos um país inudado de consciências esclarecidas. Mas não foi o que aconteceu. Cristóvam foi demitido e Gil ficou seis anos e pouco sem fazer nada. Nem cultura, nem mentes esclarecidas.

Mas mantínha-se a esperança. Mas surgiu o mensalão. Os casos de corrupção começaram a vazar e começamos a ver a verdadeira a face dos heróis que poderiam mudar este país. Eram heróis sem caráter. Eram Macunaímas. Máfia de lixo, bingos, voto de cabresto no congresso, compra de deputados, dólar na cueca. Ninguém viu nada, ninguém sabia de nada. E o medo virou o jogo e pôs de lado a esperança. Luís Inácio criou uma expectativa muito grande e não mudou. Seguiu o modelo econômico anterior que por nossa sorte e competência do corrupto Pallocci e do senhor Guido Mantega tem dado certo.

O que assusta nessa economia estável é que ainda não há uma distribuição de renda dígna dos heróis que trabalham o mês inteiro e recebem uma merreca de salário. Brizola faz muita falta. Mas o povo brasileiro faz mais falta ainda, afinal, não aprendemos a ser nossos próprios heróis.

Em 2006, tínhamos Heloísa Helena, mas o povo estava cansado de heróis. E numa briga entre o atual e o modelo anterior o povo preferiu Luís Inácio.

Hoje nossa esperança é um sorvete em pleno sol. O que fizeram de nossa fé? De nossa esperança? Isso só vai mudar no dia em que formos nossos próprios heróis. Ainda há tempo de Luís Inácio iniciar o processo de salvação da educação, para que possamos ter um país inundado de mentes esclarecidas. Nestes poucos meses que ainda restam de governo, Luiz Inácio ainda tem tempo recuperar alguns esperançosos. Luís Inácio precisa, no entanto, investir em educação. Isso é o mais importante. Isso é longo prazo. O senhor Mangabeira Unger deveria falar isso ao Luiz Inácio, afinal mangabeira ganha pra apresentar projetos a longo prazo que possam ajudar a população.

Caso não mude seu estilo e não invista em educação, Luiz Inácio será de todos os heróis o pior. Será o Macunaíma. O herói sem caráter.


Que você tenha uma boa noite e uma excelente semana!!
Abraços!
Gildean Tiago...

P.s.: ...Mas as pessoas da sala de jantar são ocupadas em nascer e morrer...